A II Caminhada pela Paz e Contra a Intolerância Religiosa, realizada na manhã de domingo (14), na zona norte de Ilhéus, reuniu centenas de pessoas. Adeptos de diversas matrizes religiosas integraram o cortejo guiado por um mini trio, onde líderes da manifestação pediam à sociedade, de modo geral, respeito às diferenças e opções de fé de cada cidadão.

A caminhada teve concentração na Avenida Litorânea Norte e o percurso incluiu as Avenidas Antonio Carlos Magalhães e Ubaitaba, ruas Severino Vieira e Lindolfo Collor, até a Central de Abastecimento, com encerramento na Litorânea Norte. Participaram da caminhada, religiosos de Ilhéus, Itabuna, Itacaré, Arataca, Una, Buerarema, Canavieiras e também de outros estados, a exemplo do Rio Grande do Sul.

“Aqui nós defendemos a paz” foi o slogan repetido pelo locutor durante o trajeto da manifestação, que contou com a presenças do vice-prefeito José Nazal, líderes religiosos, o vereador Makrisi Angelis, o ator Carlos Betão – atualmente na novela Segundo Sol, da Rede Globo – e muitos populares. O babalorixá Pai Xaumim, um dos coordenadores, destaca que a segunda caminhada pela paz e contra a intolerância religiosa conta com representantes de todas as religiões. “Pedimos a união de todos, justiça, direito à liberdade de expressão, igualdade social para todos os povos, seja ele do axé, negro ou indígena”.

Respeito e harmonia – O ator Carlos Betão declarou que a caminhada é de suma importância. “Estamos vivendo momentos tenebrosos e difíceis no nosso país. Não vamos deixar que o mal volte a florescer, como tempos atrás, e este é o momento de dizer não a tudo o que é de ruim, de paz, e estar aqui participando disso é muito favorável pra mim como pessoa e como artista, é a grande força do meu caminhar”.

O vice-prefeito José Nazal disse que esteve na primeira manifestação, ocorrida em 2017. “A gente tem que respeitar a opinião dos outros, o modo de viver. A convivência pacífica e harmoniosa só nos traz alegria. Ódio, raiva e maldade não combinam mais com o mundo que a gente espera”.

Para o vereador Makrisi Angelis, este é um tipo de evento que não proporciona felicidade. “Se estamos fazendo uma grande caminhada contra a intolerância religiosa, significa que no dia a dia as pessoas não compreendem o respeito ao próximo. A fé é uma questão pessoal. Enquanto tiver algum ato sendo cometido na cidade, infelizmente vamos precisar organizar esse tipo de ato”, acrescentou.