“Podíamos dar uma assentada no jogo. Aceleramos. Não precisa fazer isso", disse o treinador após o jogo

O jogo contra a Colômbia pode ser considerado o melhor do Brasil na Copa até agora. Apesar dos vacilos no final, o time mostrou mais disposição e trocou mais passes, especialmente no primeiro tempo. Os chutões das primeiras partidas ficaram no passado.

Mesmo assim, Felipão alertou para os problemas do time.  “Podíamos dar uma assentada no jogo. Aceleramos. Não precisa fazer isso. Ter o equilíbrio para parar um pouco mais o jogo, parar a bola”, explicou.

O volante Ramires, que entrou na segunda etapa, sabe que o time deu uma relaxada, mas prefere enaltecer o espírito de luta. “Não podemos dizer sufoco, até porque a gente estava ganhando por 2×0. Construímos uma vitória, a Colômbia não tinha outra saída a não ser atacar, e ele acabaram fazendo. Mas a equipe está de parabéns pelo que fez, correu e mostrou. É sinal que a gente está evoluindo e vamos chegar forte para a semifinal”, falou.

Opção do treinador, Maicon começou o jogo no lugar de Daniel Alves na lateral direita. E mostrou personalidade ao saber da decisão do professor. “Teve uma conversa ontem (quinta), e ele perguntou se eu estava pronto. Eu respondi que já nasci pronto”, contou.

SEMIFINAIS 

Terça-feira a Seleção encara a Alemanha, às 17h, em Belo Horizonte. Felipão já perdeu Neymar, fora da Copa, e Thiago Silva, suspenso, mas tem o retorno do volante Luiz Gustavo, que volta de suspensão. “Teremos um embate dificílimo pela frente, mas que já esperávamos. A Alemanha estava no caminho que imaginávamos”, disse Felipão após a classificação.

O atacante Hulk também já está com a cabeça no duelo que define uma vaga na final da Copa. “Quando temos tempo, sempre assistimos jogos da Copa, até porque podemos pegar como adversário. Sabemos que a Alemanha é um grande adversário agora, e vai ser mais uma final. Se Deus quiser, vamos seguir em frente até o Maracanã (local da final, dia 13)”, comentou.