“Uma ação terrorista contra a liberdade de imprensa”. Assim o major Éder de Souza Oliveira, comandante da Polícia Militar em Tijucas (SC), define o ataque a tiros que ocorreu contra a sede do portal catarinense de notícias Vip Social, na noite da última quinta-feira (12).

Por volta das 22h, segundo o major, mais de 20 tiros foram disparados contra o prédio, que teve os vidros quebrados. Ainda que prejudicada por esse fato, a perícia foi realizada e as investigações estão em andamento.

O edifício estava vazio e ninguém se feriu. Após o ataque, foi encontrado um bilhete com os dizeres “Si fica apoiando o errado vão sofre as cosequensia (sic)”.

Mais cedo no mesmo dia, o portal havia noticiado uma ação da Polícia Militar na comunidade Jardim Progresso, que resultou em confronto e na morte de um suposto traficante da região, integrante da facção Primeiro Grupo Catarinense.

A polícia trabalha com a hipótese de que os tiros tenham sido uma represália à divulgação desse fato. Segundo o major, os agentes foram atacados durante uma ação de patrulhamento na comunidade.

O comandante afirma que a facção apresenta semelhanças com o PCC (Primeiro Comando da Capital), com estatuto próprio, hierarquia, divisão de tarefas e ações violentas.

O dono do portal, Luiz Antônio Paulino Júnior, 34, afirmou à reportagem que a equipe havia deixado o prédio cerca de 20 minutos antes dos tiros. “Saímos para jantar e pouco tempo depois recebemos a ligação [informando]que o prédio havia sido atacado.”

Júnior disse que os funcionários ficaram um pouco assustados no início, mas que o trabalho voltou a ser realizado normalmente. Segundo ele, o portal completará dez anos em setembro.