No segundo dia de atividades o Cacau Valley iFestival, maior evento de inovação, tecnologia e capacitação empresarial do Sul da Bahia, promovido pelo Sebrae em parceria com a Prefeitura de Ilhéus, Senai/Cimatec e CDL nesta quinta-feira (25), o metaverso, desenvolvimento de novos produtos, branding, storytelling e cultura maker foram abordados em arenas e espaços criativos montados no Hotel Praia do Sol, em Ilhéus.

Na arena Maker, o fruto do cacau foi o protagonista das soluções tecnológicas que possibilita controlar todo o processo produtivo do chocolate de maneira mais simples. “Essa solução faz parte do Programa Sebraetec, na qual o produtor recebe até 80% de subsídios para utilizar esse sistema, que vai possibilitar saber, entre outros, o quanto ele está produzindo e perdendo, pode rastrear a produção e ter um processo mais confiável”, explicou o engenheiro, Adalicio Neto.

Outro marco também da arena Maker foi utilização da impressora 3D, do scanner digital e dos óculos de realidade virtual para experiência no metaverso. “Todas essas tecnologias irão contribuir para que as empresas possam evoluir e comunicar nesse universo digital, de maneira que os produtos podem virar objeto de desejo, convertendo tudo isso em agregação de valor, destacando que todas essas soluções tecnológicas são financeiramente viáveis para o empresário, a partir do apoio do Sebrae”, contou o engenheiro e consultor do Senai/Cimatec, Vitor Alberto.

Já a arena Inovar oportunizou o Lean Game, um jogo que simula o processo produtivo em uma empresa para, entre outras vantagens, aumentar o faturamento. Durante a experiência, os engenheiros Débora Cordeiro e Lucas Gomes informaram que “é um treinamento imersivo e divertido, onde o participante consegue aplicar as ferramentas e conceitos de manufatura para melhorar os resultados e aumentar a eficiência do negócio. As ferramentas no jogo são transversais e promovem um resultado muito positivo em qualquer tipo de segmento, incluindo os de serviços”.

Para a empreendedora Karla Costa, dona da marca de chocolate Buri, o evento está sendo surpreendente e bastante oportuno. “Eu já trabalho nessa área há mais de 10 anos e me surpreendeu e me encantou essa inovação tecnológica, que poder controlar a produção de chocolate de onde a gente estiver, desde a embalagem até o produto final. Além disso, só em passar por aqui já tive várias ideias para implantar e inovar nos meus produtos”, celebrou.