Pela primeira vez, o sul da Bahia sediou o Curso de Atualização em Melanoma Cutâneo promovido pelo Grupo Brasileiro de Melanoma (GBM), em parceria com a clínica AMO. O evento de porte nacional, que aconteceu no último sábado, dia 27, em Ilhéus, contou com a presença de palestrantes renomados da Bahia e do Paraná.

O público presente, formado por médicos de diversas especialidades e estudantes de medicina, recebeu informações importantes sobre fatores de risco, diagnóstico, análise do laudo anatomopatológico, tratamento cirúrgico e clínico. De acordo com o cirurgião oncológico, Dr. Miguel Brandão, que palestrou no curso, “quanto mais precoce o diagnóstico, maior a chance de cura do paciente. A abordagem inicial é fundamental”.

A dermatologista e coordenadora do evento, Dra. Thais Saback, ministrou sobre epidemiologia e relatou que o curso obteve êxito em seu objetivo. “É uma alegria ver a plateia cheia, com médicos de diversas especialidades, interessados nesse tema. Recebemos pessoas de Ilhéus, Itabuna, Teixeira de Freitas e até mesmo de Salvador”, comentou.

Outros palestrantes também destacaram a importância de manter-se atualizado sobre o melanoma cutâneo. Para o dermatologista convidado, Dr. Carlos Bastos, do Paraná, “a gente leva através do GBM o conhecimento, para tentar reduzir a incidência. O melanoma é um tumor extremamente perigoso, com alto índice de mortalidade. Temos como objetivo aumentar o número de diagnósticos precoces que farão a diferença na vida desses pacientes”.

O Dr. Rafael Ribeiro, cirurgião oncológico, ressaltou que a incidência de melanoma cresce muito no Brasil, em especial na Bahia. “É muito importante para especialidades ligadas direta e indiretamente, que estejam cientes da necessidade de avaliação especializada das lesões pigmentadas da pele”, enfatizou.

O médico patologista, Dr. Nathanael Pinheiro, lembrou que “nem todos os pacientes são vistos por dermatologistas. É importante que médicos de outras áreas tenham conhecimento sobre isso, para que sejam capazes de identificar lesões que precisem ser melhor investigadas, e assim, encaminhar para o dermatologista ou alguém de maior expertise em melanoma”.

Participantes também comentaram sobre a relevância da capacitação recebida. O Dr. Fábio Goulart, cirurgião geral e de tórax, disse “é muito importante a gente se informar, ter um conhecimento a mais. Como devemos agir, conduzir a cirurgia, agregar conhecimento profissional”.

De acordo com a Dra. Alba Ikuta, pediatra, “as lesões estão cada vez mais comuns e atingem um público muito jovem, inclusive crianças. A gente precisa saber avaliar essas lesões”. A estudante de medicina da Uesc, Nicole Guimarães, ressaltou que “o curso é muito importante para mim, porque quero trabalhar na área de dermatologia”.

A atividade contou ainda, com as apresentações do Dr. Adriano Carvalho, que orientou sobre tratamento cirúrgico da doença avançada; e do Dr. Rodrigo Guedes que explanou sobre tratamento clínico da doença avançada. Um workshop de dermatoscopia encerrou os trabalhos do primeiro curso de atualização em melanoma cutâneo, em Ilhéus.