Alguns membros que fazem parte da equipe de transição do novo governo, sobretudo os que são do PT, defendem que a excepcionalidade dos recursos destinados ao Auxílio Brasil se estenda por quatro anos.

“Por que a cada ano tem que criar tensão para discutir se aprova ou não uma PEC? Por essa razão, tem dois caminhos: um conceito em que se excepcionaliza um programa Auxílio Brasil, ou Bolsa Família, como queiram chamar, e ao mesmo tempo tem a proposta que se tenha uma fixação até 2026, ou seja, para o período dos quatro anos”, disse Wellington Dias, que coordena a parte de orçamento na equipe de transição.

O assunto foi levado a Lula durante reunião em Brasília, ontem. Este é um ponto de impasse para a consolidação da PEC de Transição, que pretende retirar até R$ 175 bilhões do teto federal em 2023 para pagar o Auxílio.