Membro efetivo da Comissão de Agricultura da Assembléia Legislativa da Bahia, o deputado Heber Santana (PSC) defendeu nesta terça-feira (11), a necessidade de ações objetivas, independente de governo ou de partidarismo, para proporcionar aos baianos as condições ideais de convivência com a seca. “A seca vai acontecer outra vez. Não há como acabar. Temos que conviver. E o único caminho para isso é o planejamento adequado, o estudo de alternativas, o uso de tecnologias. Senão vamos continuar lamentando os prejuízos causados pela estiagem prolongada”, disse ele.

Heber Santana considerou importante o convênio firmado entre a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Universidade de Nebraska, nos Estados, e Universidade Federal de Viçosa, de Minas Gerais, para desenvolver pesquisas científica sobre o potencial hídrico do aquífero Urucuia, no oeste baiano, visando o abastecimento de rios e a oferta de água para irrigação. “Um dos grandes problemas hídricos na Bahia é a distribuição da água. Por isso, iniciativas como o convênio assinado pela Aiba precisam se multiplicar”, afirmou o parlamentar, indicando por exemplo a necessidade de estudos nos aquíferos baianos, como o de Tucano.

O deputado aplaudiu ainda a autorização dada pelo governo federal para a venda de milho subsidiado da Conab, através do Programa de Venda em Balcão, mas criticou o preço estabelecido, R$ 33,00 por saca de 60 quilos, e a existência de apenas cinco pólos de distribuição da Conab, em Itaberaba, Irecê, Entre Rios, Ribeira do Pombal e Santa Maria da Vitória, para atender todo o Estado. “O valor ainda é alto para os pequenos criadores, que amargam grandes prejuízos, e além disso terão que percorrer grandes distâncias de seus municípios até os postos da Conab, pagando caro pelo frete do milho”.

Nota encaminhada por Netto Tourinho, militante do PSC em Ilhéus.