Maria da Penha Maia Fernandes, ativista que nomeia a lei contra violência doméstica, recebeu proteção pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, e por agentes de segurança do estado do Ceará após ser alvo de ameaças e ataques de membros da extrema-direita e “red pills” e “masculinistas”. Os grupos se reúnem em comunidades digitais para disseminar ódio às mulheres. A ministra assegurou a proteção contra esses indivíduos.

O governador do Ceará, Elmano de Freitas (PT), alegou que soube das ameaças feitas contra a ativista. “Tomei conhecimento das ameaças sofridas pela ativista Maria da Penha por grupos de comunidades digitais que disseminam ódio contra as mulheres. São ações repugnantes e inadmissíveis”, disse através das suas redes sociais.

“Conversei com a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, sobre ações para a proteção de Maria da Penha e o Governo do Ceará garantiu a sua inclusão no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH)” completou o governador Elmano.