A mudança na estratégia de defesa do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB), que optou por tentar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) sofreu nova reviravolta. As negociações aconteceriam entre o advogado João Bernardo Kappen, o MPF e a Procuradoria-Geral da República, mas, na noite deste domingo, 23,  ele informou ao Globo que outro escritório vai assumir o caso. Há duas semanas, ele havia recebido uma procuração do ex-governador para representá-lo nas conversas com as autoridades.

Não foi a única baixa. O advogado Rodrigo Roca, que assumiu as ações em meados de 2017, resolveu deixar o caso também neste domingo. Ele não concorda com os novos planos do ex-governador.

Com a recente condenação em segunda instância na Operação Calicute e a colaboração premiada de Carlos Miranda, seu ex-operador financeiro, Cabral viu estreitarem os caminhos de sua defesa pelas vias fora da delação.

Entre as promessas do ex-governador, estão revelações sobre corrupção no Poder Judiciário e entre ex-integrantes do alto escalão do Ministério Público do Estado do Rio — o ex-procurador-geral de Justiça Cláudio Lopes chegou a ser preso sob a acusação de receber uma mesada para proteger o ex-governador.

Também está no cardápio a confissão sobre a compra de votos para a organização dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. O esquema já foi alvo do MPF na Operação Unfair Play — Cabral é réu no processo —, e a possível nova postura sobre os Jogos representaria uma mudança brusca em relação a outras declarações dele sobre o tema.

Professor de Direito Penal da UFRJ, Francisco Ortigão explica que os benefícios estarão relacionados com a “efetividade” dos depoimentos.