“O motivo central do meu rompimento [com o prefeito de Camaçari Ademar Delgado]é porque o poder subiu para a cabeça dele. Ele faz um governo tecnicista, burocrata, não ouvia ninguém. E para não ficar fazendo oposição por dentro eu e meus companheiros resolvemos romper com ele. Camaçari precisa de um projeto novo, não pode dar marcha a ré”. Foi assim que o pré-candidato a prefeito de Camaçari pelo PT e deputado federal Luiz Caetano explicou a briga com seu sucessor Ademar Delgado no Executivo Municipal de Camaçari, que está em vias de se filiar ao PCdoB.

Caetano acompanhou os blocos Anti-Baixaria, de sua esposa e deputada estadual Luíza Maia (PT), e o Bloco do Galo, do também deputado estadual Marcleino Galo (PT), que integraram o desfile da Mudança do Garcia nesta segunda-feira (08), em Salvador e elogiou os artistas que se apresentaram sem cordas graças à iniciativa do governo do Estado. O petista disse ainda não acreditar que a crise vivida nacionalmente por seu partido possa atrapalhar na sua eleição para prefeito.

“Tenho um legado muito grande, você pode ir em qualquer bairro que tem uma realização minha e as pessoas reconhecem isso. Cresci [depois que se elegeu deputado federal em 2014], amadurei e tenho boa articulação política em Brasília, de maneira que posso contribuir ainda mais para a cidade”, afirmou.

Para ele, o impeachment da presidente Dilma “dançou”. “A oposição tenta agora perseguir o presidente Lula com medo da eleição de 2018. Pois se depender de mim, Lula será novamente presidente do Brasil em 2018″, defendeu.