Com a retomada dos procedimentos eletivos, a Prefeitura de Ilhéus prioriza reduzir as filas para diversos serviços ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Contudo, de acordo com a Secretaria de Saúde (Sesau), um número considerável de pacientes não tem comparecido ao agendamento de consultas, exames e cirurgias eletivas, fato que gera custos ao Município e compromete a assistência prestada ao cidadão.

“Essa ausência prejudica a oferta dos serviços, porque outras pessoas que também necessitam do procedimento poderiam ter sido chamadas, além de dificultar o trabalho realizado para levar assistência à nossa população. Então, é importante que o usuário SUS mantenha os dados cadastrais atualizados. As equipes entram em contato e os telefones não funcionam”, explica André Cezário, titular da Sesau.

O absenteísmo faz com que a fila de espera não avance, o que atrapalha o acesso e aumenta a demanda reprimida por serviços públicos de saúde. Conforme Cezário, os procedimentos eletivos incluem cirurgia de vesícula, hérnias (inguinal, umbilical e epigástrica) e histerectomia (útero) e são realizados no Hospital São José, Hospital Regional Costa do Cacau e na Clínica Ortopédica e Cirúrgica de Ilhéus (Coci).

A Sesau destaca que com a pandemia e o aumento descontrolado de casos da Covid-19, o sistema de saúde voltou todas as atenções para o tratamento da doença, suspendendo diversos serviços, entre eles as cirurgias eletivas.

Todavia, com a retomada dos procedimentos, a população precisa se conscientizar sobre a importância do comparecimento na data agendada. As faltas injustificadas oneram os cofres públicos, visto que o serviço é pago mesmo quando o usuário não comparece ao atendimento marcado.