A Venezuela inicia nesta segunda-feira (22) uma “quarentena radical” para combater a nova onda de casos de coronavírus no país. A medida foi anunciada pelo presidente Nicolás Maduro durante um pronunciamento na TV estatal nesse domingo (21) e deve durar duas semanas.

A determinação vem em um momento de piora da pandemia no país. Pela primeira vez desde outubro do ano passado, a Venezuela registrou mais de mil novos casos de covid em uma semana. De acordo com Maduro, a segunda onda no país está diretamente relacionada à variante brasileira da Covid-19, já detectada no país. O presidente venezuelano também aproveitou para criticar a resposta de Jair Bolsonaro à pandemia, chamando o presidente brasileiro de “irresponsável”. Segundo ele, o Brasil se tornou “a maior ameaça do mundo” em termos de saúde pública.

De acordo com o balanço da pandemia apresentado por Nicolás Maduro na TV estatal, a Venezuela tem uma taxa de 27 casos ativos de Covid-19 para cada 100 mil habitantes. Segundo os dados mais recentes da Universidade americana Johns Hopkins, o país confirmou 817 novos casos da doença no domingo, com 10 mortes.