Técnicos da secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) promoveram, nesta quinta-feira, 6, um trabalho de capacitação de toda a rede municipal de saúde do município de Ilhéus para os serviços de prevenção ao sarampo. As ações foram realizadas durante todo o dia, no auditório da Faculdade Madre Thaís, com o acompanhamento do secretário municipal de Saúde, Geraldo Magela.

A capacitação contou com palestras de sanitaristas vinculadas à Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) da Sesab, Aldaci Matos Andrade e Vânia Leão Carneiro. No dia anterior, quarta-feira, houve uma reunião estratégica para definir ações de combate ao sarampo com os membros do Núcleo Regional Sul de Saúde.

O diretor de Vigilância em Saúde do Município, Gleidson Santana Souza, admite que há um caso suspeito de sarampo na região de Olivença, mas que todos os procedimentos epidemiológicos estão sendo realizados na área. “Nós já fizemos bloqueios em toda as regiões: onde mora, onde trabalha e os caminhos que percorreu.  Além de vacinarmos mais de 500 pessoas, estamos fazendo monitoramento desse paciente juntamente com o pessoal da Sesab”, afirmou.

Vacinação – O sarampo ocorre uma vez na vida, e se a pessoa já teve a doença não precisa vacinar outra vez. A imunização acontece de forma normal para crianças até os cinco anos. Acima dessa idade até aos 29 anos, é preciso duas doses de a tri viral para o indivíduo ser imunizado. Pelo protocolo do Ministério da Saúde, dos 30 aos 49 anos, com apenas uma dose do tríplice viral já conta como imunizado.

“Acima de 49 anos, não precisa recomendar a vacina, desde que em situação de contato com pessoas com sarampo e se estiver com idade superior a 49 anos e não tiver confirmação de que esteja imunizado, aí sim, deve tomar a vacina. Mas, de rotina, só de 1 ano até os 49 anos de idade. Em caso de dúvida em ter tomado ou não a vacina, falta da carteira de vacinação, recomenda-se tomar a dose da tríplice viral”, alerta Gledson Santana Souza,

A vacina está disponível em todas as salas ativas de vacinação na rede de postos de saúde do município e também no CAE II – antigo SESP. A sanitarista da Sesab, Vânia Leão Carneiro, ressaltou que “medidas preventivas pelo município foram adotadas a tempo, graças a Deus”.