“Um encontro da democracia com a participação popular. Um encontro de homens, mulheres e jovens que querem uma cidade melhor”. Assim foi definido pela presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores em Ilhéus, Professora Carmelita, o lançamento do Programa de Governo Participativo (PGP), realizado na manhã deste domingo, na Câmara de Vereadores. A proposta agora será discutir com os ilheenses, dos mais diversos bairros, distritos, bairros e vilas da cidade um projeto de governo feito a várias mãos, com pessoas que convivem com os problemas e querem uma cidade muito melhor.

O encontro contou com a participação dos secretários estaduais Josias Gome, da Secretaria de Relações Institucionais, e Jerônimo Rodrigues, da Secretaria de Desenvolvimento Rural, do deputado federal Bebeto Galvão, dos deputados estaduais Fátima Nunes e Rosemberg Pinto, do presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, da prefeita de Una, Diane Rusciolelli, além dos representantes do PSB, PCdoB, PSDC e PPL, dos pré-candidatos a vereadores do PT, dos vereadores Dero e Lukas Paiva, presidentes de entidades, órgãos públicos, associações, clubes de serviços, diretores de escolas, movimentos sociais, representantes da juventude e profissionais das mais diversas áreas.

Durante o encontro a pré-candidata a prefeita de Ilhéus do PT, Professora Carmelita, fez um diagnóstico dos problemas enfrentados em Ilhéus nas mais diversas áreas, principalmente com relação à educação, saúde, habitação, segurança, mobilidade social, falta de política para os jovens, para as mulheres, falta de políticas de geração de emprego e renda e também o abandono das comunidades da zona rural. De acordo com ela, Ilhéus atravessa um dos piores momentos de sua história. Daí a iniciativa do Partido dos Trabalhadores de discutir com todos os ilheenses um programa de governo consistente, democrático, feito com quem sabe dos problemas de cada localidade e sonha com uma cidade melhor.

Com relação à situação política, a pré-candidata a prefeita, Professora Carmelita, defendeu que o desafio nesse momento é a união. “Unir com quem não aceita a forma como esse governo trata a cidade e querem um modelo novo, responsável, comprometido com cada ilheense. Unir com quem tem projetos e responsabilidade com essa cidade. Unir homens e mulheres de vontade, de mão limpas e com coragem para lutar e trabalhar para reconstruir a nossa Ilhéus”, complementou Professora Carmelita.

EC-DRT/BA 331
Ilhéus, 30/05/2016