Segundo o Blog do jornalista Matheus Leitão, do G1, o Ministério Público Federal pediu para a Justiça incluir Benedicto Junior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, e Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, como testemunhas de acusação contra o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na ação que investiga as obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. O pedido foi realizado pelo procurador da República Anselmo Henrique Cordeiro Lopes, da Procuradoria da República no Distrito Federal.

O caso investiga suposto esquema de desvios para a liberação de recursos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa, que financiaram as obras do Porto Maravilha.

Com o pedido, a situação jurídica de Cunha, e de outros quatro denunciados, ficará ainda mais complicada. Benedicto Junior afirmou em depoimento que ex-presidente da Câmara recebeu uma mesada, por três anos, que somaram mais de R$ 19 milhões, pelo o equivalente a 1,5% da obra.

Também são réus na ação do Porto Maravilha Lúcio Funaro; o empresário Alexandre Margotto (hoje, delator); o ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto; e o ex-ministro do governo Temer Henrique Eduardo Alves.