Mais de um ano sem Carnaval em Salvador. A capital baiana nunca ficou tanto tempo sem os foliões nas avenidas. Antes, ele já chegou a ser adiado, como durante a Segunda Guerra Mundial, ou ainda no início do século XX por causa de chuvas — mas apenas por alguns meses. Só agora os baianos amargam tanto a saudade da festa, que precisa ser suprida por vídeos antigos, fotos, clipes e filmes.

Para se juntar ao acervo, na próxima semana, dia 2 de junho, chega à Netflix o filme ‘Carnaval’. Ele conta a história de Nina (Giovana Cordeiro), uma aspirante a digital influencer que, após descobrir a traição do namorado por um vídeo nas redes sociais, consegue uma permuta de viagem para Salvador com tudo pago pelo cantor Fred Nunes (Micael Borges).

Com pouco mais de 5 minutos do longa, a música “We are Carnaval” já embala as imagens de uma Barra lotada, aglomerada do jeito que todo mundo gosta, e é impossível não reviver os momentos da festa na capital. “Assistindo o filme você entra no universo do carnaval e dá vontade mesmo de estar ali pulando”, disse o ator Micael Borges, em entrevista ao Metro1.

Micael, que vive o cantor de pagode baiano Fred Nunes, falou também sobre o filme e sua primeira experiência com o carnaval soteropolitano.

“Fazer o Fred foi incrível, um personagem muito divertido de fazer. Ele está dentro do universo da música, que é o meu universo também. E foi desafiador, apesar de ser divertido, por conta do sotaque. A gente teve uma preparação muito boa em relação ao sotaque para não ficar uma coisa caricata, porque o sotaque baiano apesar de ser bem carregado tem umas sutilidades”, conta.

Para se preparar, o ator revela que acompanhou influencers baianos e se inspirou em clipes e entrevistas de cantores de pagodão, como Léo Santana. Durante as gravações, Micael ainda chegou a subir no trio de Durval Lelys para uma parceria. “Foi uma experiência incrível”, diz.

Os superlativos não faltaram para definir seu primeiro carnaval na Bahia. Mágico, alucinante e surreal foram algumas das palavras que Micael encontrou. “Com certeza espero voltar”.

O longa ainda traz no elenco as inseparáveis amigas de Nina: Michele (GKay), Vivi (Samya Pascotto) e Mayra (Bruna Inocencio). Além dos atores baianos Rafael Medrado e Jean Pedro. Destaque para Jean, que interpreta Salvador — o homem e não a cidade, apesar de a capital baiana ser quase um personagem do filme.

Além da amizade, o tema da fé é muito presente no longa. E em Salvador o que não falta é fé. São citados tanto Senhor do Bonfim e Irmã Dulce, como os orixás. Em uma das cenas sobre medo, é na presença dos Orixás, em frente à escadaria da Igreja do Santíssimo Sacramento do Passo, que a personagem Mayra encontra forças. E deve ter sido uma baita força, porque como ela se perdeu na Barra e foi parar lá ninguém sabe.

Ainda no início deste ano, com a previsão da chegada das vacinas, os soteropolitanos estavam com esperança para um carnaval que seria realizado em julho. Agora, não se sabe nem se a festa está garantida para 2022. O filme Carnaval, que estreia no dia 2, pelo menos afaga um pouco o coração. E lembra, como bem diz a personagem Nina, do privilégio de nascer na capital baiana.