Em coletiva virtual realizada na tarde desta quarta-feira (2), a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) concedeu detalhes sobre a operação policial que desarticulou uma organização criminosa responsável por grande parte das explosões e roubos a bancos ocorridos em cidades da Bahia neste ano.

De acordo com o diretor do DRACO (Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado), José Bezerra Jr., oito integrantes do grupo foram localizados, incluindo o líder da organização, que foi encontrado em Osasco, no estado de São Paulo, no último dia 22. Ainda segundo Bezerra, o responsável pela organização dos atos criminosos já está na Bahia. Ele foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para os devidos exames, depois levado para a sede do DRACO, onde foi realizado um interrogatório e, por fim, deixado no Complexo da Mata Escura, em Salvador.

O grupo criminoso utilizava, de acordo com o diretor do Departamento, armamento pesado e possuía vasta munição, inclusive para fuzis. Na ação policia, R$ 310 mil foram encontrados, referentes ao possível último crime do grupo, quando três agências bancárias foram destruídas em Correntina, no oeste da Bahia, no dia 7 de maio. Além desses materiais, cinco veículos de origem ilícita utilizados pelos integrantes, 20 armas de fogo e 1.272kg de drogas foram apreendidos.

Dos oito homens localizados, quatro estavam foragidos, sendo que três foram beneficiados com a prisão domiciliar e o último, o líder do grupo, possuía liberdade provisória, mas não retornou ao sistema prisional quando necessário. Outros cinco morreram durante confronto com policiais em Maracás, na Bahia.

Segundo a polícia, crimes contra agências bancárias ocorridos após o dia 7 de maio ainda são investigados. Os investigadores procuram saber se os ataques ocorreram por integrantes do mesmo grupo, ainda não encontrados, ou por um segundo novo grupo.