Depois de perder um dos seus patrocinadores e de receber uma série de críticas e ataques em função da contratação do goleiro Bruno, o presidente do Boa Esporte Clube, Rone Moraes da Costa, resolveu se manifestar. O dirigente publicou uma nota no Facebook dizendo que o clube agiu em conformidade com a lei e que o grupo está “ajudando um ser humano” e “ dando trabalho a quem pretende se recuperar”.

“O tão procurado estado democrático de direito, a sociedade justa e fiel, a vida em sociedade, segundo critérios civilizados indicam de longa data que o criminoso colocado em liberdade deve ter atenção do estado, atenção suficiente para que possa restabelecer uma vida em sociedade (…) Aqui não se condena a morte ou prisão perpétua. Enquanto isso não refletir a regra legal, a regra é que o egresso, o criminoso colocado em liberdade, possa obter meios de viver em sociedade, trabalhando e procurando dignidade em sua vida”, diz a nota.

O dirigente do clube de Varginha disse, ainda, que só resta ao clube fazer justiça ajudando um ser humano. “O Boa não foi o responsável pela soltura e liberdade do atleta Bruno, mas o clube e sua equipe, enquanto empresa e representada por seres humanos, dotada de justiça e legalidade, podem dizer que tentam fazer justiça ajudando um ser humano. Mas cumprem a legalidade dando trabalho a quem pretende se recuperar”, publicou.