Estabelecer diálogos diante do quadro de conflitos existentes na cidade que ocasiona as desastrosas perseguições aos trabalhadores dos Táxi-lotação em Ilhéus, foi a principal motivação de Makrisi na audiência que teve com o Diretor-Presidente do Detran-Ba, Dr. Lúcio Gomes, em Salvador no dia 23 de outubro. O mesmo diálogo também foi estabelecido, em semana posterior, com o Comandante da CPR – Sul, Cel. Teixeira.

Makrisi apresentou às duas autoridades as irregularidades que vêm sendo cometidas na busca de barrar o suposto transporte ilegal de passageiros. Os Agentes de Trânsito da Prefeitura, juntamente com Policiais Militares, têm feito perseguições pelas vias públicas para apreender os carros e prender os donos de veículos por transporte ilegal de passageiros. Nas detenções de donos de veículos, algumas ocorrências são feitas com equívocos e após se lavrar o Boletim de Ocorrência na Delegacia, e mesmo quando fica constatada que não é prática de transporte ilegal e estes são liberados, mas seus carros já foram apreendidos e os órgãos que cometeram a irregularidade de apreender os veículos não os devolvem aos seus proprietários.

Diante dos problemas apresentados pelo Vereador Makrisi, o Diretor Geral do Detran-Ba, Dr. Lúcio, se comprometeu de vir à Ilhéus verificar a atuação do Detran na polêmica dos Táxi-lotação. Makrisi quer aproveitar a presença do Diretor do Detran-Ba e fazer uma reunião conjunta entre Prefeitura, Detran, PM, Polícia Civil e Ministério Público.

O vereador Makrisi afirmou junto às autoridades que a sua meta é defender que todos os transportes que tenham irregularidade sejam tratados de forma igualitária, “O que não posso aceitar é que se faça perseguição aos Táxi-lotação, por irregularidade criada pela Prefeitura que não cumpre a Lei nº 2.829/2000 ao não regulamentar os serviço de Táxi-lotação. Já os ônibus das empresas Viametro e São Miguel que descumprem diversas cláusulas do Contrato de Concessão, não sofrem qualquer punição”, disse o vereador Makrisi. “Some-se aos dois pesos e duas-medidas usadas aqui, ao desconhecimento das Jurisprudências já transitadas no Superior Tribunal de Justiça que determina ‘a liberação de veículo retido apenas por transporte irregular de passageiros…’ Se não cabe ao cidadão desconhecer os ditames da Justiça, pior ainda para as autoridades governamentais”, concluiu o vereador.