A um dia do fim do prazo dado pela Agência Mundial Antidoping (Wada) para o Brasil regularizar seu controle de dopagem e não ter as credencias do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) cassadas, o Governo Federal aprovou o Código Brasileiro Antidopagem, que entre outras coisas prevê a criação de um tribunal exclusivo para julgar os atletas flagrados em exames.

Com esta medida, o país não tem mais riscos de ficar sem um laboratório para a realização dos exames durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Caso isso não tivesse ocorrido, todas as amostras de urina e de sangue teriam de ser enviadas ao exterior durante a competição.

Todas as exigências feitas pela Wada foram cumpridas com a publicação do decreto completo em edição extra do Diário Oficial da União desta quinta-feira. Falta apenas a confirmação da entidade mundial, o que deve acontecer ainda nesta sexta-feira.

“Fizemos tudo o que a Wada pediu. Mandamos tudo o que foi feito e agora aguardamos que examinem e façam a comunicação formal. Acredito que não teremos nenhum tipo de problema, pois todos os tópicos do documento já foram discutidos com representantes da Wada em uma reunião que tivemos entre os dias 3 e 4 de fevereiro aqui no Brasil. Este é um enorme passo na luta contra a dopagem no esporte no Brasil”, afirmou ao UOL Esporte Marco Aurélio Klein, presidente da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).

Criado com a publicação do decreto, o Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem (TJDAD), terá jurisdição exclusiva para o julgamento de violações de regra antidopagem no esporte e das infrações disciplinares a elas conexas.

O órgão terá sede em Brasília e irá abranger todas as modalidades, competições e ligas desportivas, de âmbito profissional e não-profissional.

Com a criação do Tribunal, casos de doping dever]ão ser julgados em até três semanas. Hoje, o processo costuma levar cerca de dois meses.