Para o coordenador da força-tarefa da Operação Lava-Jato, Deltan Dallagnol, o País vive um momento maniqueísta, com polarização política dividindo a sociedade entre “nós e eles”.

Procurador da República desde 2002, aos 36 anos ele comanda a equipe responsável pela maior investigação de combate à corrupção na História do Brasil. Em entrevista ao jornal O Globo neste sábado (26), o procurador afirma que o foro privilegiado fere a igualdade e “dificulta ou impede a investigação dos que mais deviam zelar pelo bem da sociedade”.