Apesar do cenário de crise ocasionado pelos efeitos econômicos da pandemia da Covid-19, o município de Ilhéus vai na contramão do desemprego, que atinge a maioria das cidades e estados do país. Com um saldo de 409 novos postos de trabalho com carteira assinada no primeiro trimestre de 2021, considerados os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) fornecidos na análise econômica pela secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Ilhéus (SDE), a cidade gerou 221 contratações em janeiro, 154 empregos formais em fevereiro e 34 postos de trabalho em março.

“Ilhéus mantém o saldo positivo que vem apresentando nos últimos 8 meses, desde agosto de 2020. Isso reflete um cenário de crescimento econômico no último ano. Uma tendência iniciada em maio de 2020 que de acordo com os dados levantados, permanece até março de 2021. Motivo de alegria e orgulho para todos nós, ilheenses”, comemorou o prefeito Mário Alexandre.

A redução de contratações no mês de março de 2021, é momentânea, e a perspectiva é que volte a subir, é o que explica o titular da SDE, Vinicius Briglia. “A queda apresentada entre os meses de fevereiro e março se deve exclusivamente às medidas restritivas de isolamento que foram decretadas pelo estado, que alterou o funcionamento de diversos estabelecimentos comerciais, afetando principalmente os setores de bares e restaurantes. Contudo, entendemos que não afeta o ciclo de crescimento que Ilhéus tem apresentado, haja vista que, com a retomada e regularização das atividades, os postos perdidos devem ser retomados normalmente”, completou Briglia.

O saldo de empregos é extraído da dedução entre as admissões e demissões em cada mês. Assim, em janeiro foram 765 admissões, 637 em fevereiro e 593 em março, contra 544 desligamentos em janeiro, 483 em fevereiro e 559 em março.

Os setores que mais se destacaram na análise econômica do primeiro trimestre foram o de serviços, o de comércio e o de construção civil. O setor de serviços atingiu um saldo positivo de mais 214 contratações (941 contratações; 727 desligamentos); seguido do setor do comércio com mais 158 contratações (577 admissões; 419 desligamentos). Em março, o destaque foi para a construção civil, que impediu que o mês terminasse negativo, com saldo positivo de mais 80 novos postos de trabalho, podendo indicar um retomada do setor.