O juiz Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, enviou ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF) no qual pede “respeitosas escusas” à Corte por ter retirado o sigilo das escutas telefônicas envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e autoridades, incluindo a presidente Dilma Rousseff.

O magistrado afirmou que a divulgação da conversa “não teve por objetivo gerar fato político partidário”. Ainda segundo Moro, as gravações telefônicas indicam que Lula, “aparentemente, tentou obstruir as investigações atuando indevidamente”.

O ofício foi enviado a pedido do ministro Teori Zavascki, quando, na semana passada, determinou que as investigações sobre Lula fossem remetidas ao STF, por causa do envolvimento da presidente, de ministros e parlamentares, autoridades com o chamado foro privilegiado.

O conteúdo das conversas interceptadas foi divulgado por Moro no último dia 16, um dia antes da cerimônia de posse de Lula como ministro-chefe da Casa Civil.